O ACORDO PARA DEMISSÃO NA REFORMA TRABALHISTA

Sempre foi comum que patrões e empregados fizessem um acordo para que o empregado fosse demitido sem justa causa, podendo, com isso, levantar o valor do FGTS e receber o seguro desemprego. Nesse caso, normalmente o valor da multa era devolvido ao empregador.

Essa prática, apesar de ser relativamente usual, sempre foi contrária à lei.

Com a recente reforma trabalhista, que vigorará a partir de 11 de novembro de 2017, esse tipo de acordo passa a ser legal e ter regulamentação própria.

A nova lei prevê que o contrato de trabalho poderá ser extinto por acordo entre empregado e empregador, caso em que a multa do FGTS será paga pela metade, sendo que o empregado poderá levantar até 80% do valor depositado na conta do FGTS.

Pelo acordo, o empregado também terá direito a 50% do valor do aviso prévio, caso esse seja indenizado. As demais verbas deverão ser pagas na integralidade pelo empregador.

A lei prevê, ainda, que nesse caso o empregado não terá direito a receber o benefício do seguro desemprego.

Como se vê, o acordo para demissão foi feito para que patrões e empregados sejam mutuamente beneficiados e responsabilizados pela rescisão, sem que isso resulte em prejuízo ao Estado, que não terá que pagar seguro desemprego, que permanece sendo devido apenas no caso de demissão sem justa causa.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram